domingo, 27 de junho de 2010

NEGÓCIOS DA VIDA

O meu negócio era ganhar o mundo escrevendo, chorando as pitangas e sendo feliz no intervalo entre essas três coisas. Só que no meio dos meus planos eu encontrei outras atividades que me interessaram muito.

E quando eu vi, eu adorava me apaixonar mesmo que o fogo apagasse logo. Mesmo que fosse para jogar o certo para o alto mais alto do mundo e abraçar o incerto com todo o amor que eu queria que fosse eterno. Depois eu aprendi que amar era outra atividade ótima, mas amar desgastava de um jeito que não sobrava energia nem para beber água. E eu esgotada viro uma criatura inerte inclusive nos pensamentos. Só que para amar, era preciso tanto talento que eu fui lá e desenvolvi só para ver se eu era capaz. E virei PHD.

E o meu negócio que era ganhar o mundo escrevendo, chorando as pitangas e sendo feliz no intervalo entre as três coisas, aumentou. O horizonte me abriu um leque de mil lindas possibilidades e eu me encantei. Me encantei porque achei um barato aquele negócio todo de viver com emoção. E a emoção podia ser só um arroto alto e de boca aberta depois do almoço, com todo mundo sentado. Ou podia ser pular de bung jump no meio do nada. Ou abraçar a causa de um novo amor. Ou só ser do contra com o único objetivo de não ser a favor.

Então eu precisava de tempo para escrever, chorar, ser feliz, amar de todas as formas possíveis e me apaixonar. O tempo ficou curto, mas a vida ficou mais cheia de coisas para sonhar e frustrar e aprender. E arrotar, óbvio. Mesmo que eu, para aprender, precisasse sempre tomar umas porradas na cara. E para arrotar só precisasse de meio gole de guaraná. Espremi o tempo, rearranjei daqui, apertei dali e mais um pouco o tempo inteiro era insuficiente para todas as bexigas de coração, para todas as cenas mexicanas, para todos os bung jumps e para todas as vezes em que eu precisava chorar para eles me olharem com uma piedade que estranhamente me satisfazia.

Tinha virado vício incontrolável. Era mais forte que eu aquele negócio de viver. Eu tomava banho naquilo, eu comia naquilo, eu hidratava naquilo. Era quase um toc sem cura, um tic dramático que não me deixava descansar nunca, para não desperdiçar o precioso tempo que era sempre ralo.
E o tal do meu negócio que era ganhar o mundo escrevendo, chorando, sendo feliz, amando e me apaixonando, faliu. Era muita coisa para pouca vida. Não tinha jeito de caber em 24 horas ou em 365 dias ou em três décadas. Não cabia, era sempre mais apertado que as meninas inocentes.
E foi aí que eu abandonei todo o resto. E o meu negócio passou a ser só viver.
Eu vivo cansada, é verdade.
Mas pelo menos eu vou morrer bem viva. Vivinha da Silva.

http://www.taticavalcanti.com.br/

quarta-feira, 23 de junho de 2010

O ÓPIO DO POVO



Na teoria:
Futebol é um esporte de equipe jogado entre times de 11 jogadores cada um e um árbitro que se ocupa da correta aplicação das normas. Considerado o esporte mais popular do mundo.


Deixemos especulações e apostas de lado, falemos deste mundo redondo que envolve o futebol.

Não falo apenas sobre etnia, mas desta universatilidade que se movimenta e gera uma intensa energia e por consequência uma certa euforia misturada com alegria e satisfação
.
Entusiasmo neste caso é algo sério e viver a experiência na íntegra faz parte deste contexto.

Quisera que todos pudessem ser ou pensar iqualitariamente, mas convenhamos,
desde que o mundo é mundo, cada ser possui uma paixão e isso é fato, um pequeno detalhe que é permeado por intensas e fulgases semelhanças ou afinidades linguísticas e culturais de cada.

Mercadologicamente falando, a copa gera milhões em propaganda e produtos licenciados, além de um imenso e maravilhoso espírito coletivo, as pessoas ficam inebriadas de alegria e esperança.
O que mais existe de verdade que motiva as pessoas em épocas como essa?
Será pura e simplesmente a paixão pelo momento?, pode ser.

É certo que vivemos em um país com tamanha desigualdade social e econômica, mas quem se lembra disso na hora da partida?, provavelmente ninguém, pois o que vale é a vibração e o encantamento em ver nosso país como favorito a ser campeão mundial.
Enquanto as pessoas torcem, nós escrevemos sobre.

Cada um no seu quadrado, pois jogar eu não jogo nem futebol de botão, quisera então compreender os passes e as normas.
Mas na hora do jogo, o que importa é o lugar onde sentamos na sala...cada um com sua superstição, que neste caso deixa de ser apenas uma crença de causa e efeito.

Vale ressaltar que o melhor disso tudo é o fato de confraternizarmos com estranhos e desejarmos (nem que seja por apenas 90 minutos), algo em comum.

Resumindo:
O futebol é mais que uma crença, é de concreto um certo sentido e mesmo que as vuvuzelas sejam um mal, é o mal necessário para colocar para fora a felicidade e celebrar esse espetáculo. E paralelamente a isso ainda podemos aprender que futebol não é tão somente um esporte, é um legado que passamos para frente.
Não é preciso dinheiro, uniforme e um belo campo. Bastam apenas a paixão e a vontade, dois recursos fáceis e completamente desprendidos de rótulos.

terça-feira, 22 de junho de 2010

CALENDÁRIO COPA - JANEIRO




Fredrick Ljungberg

Ele não só é lindo, como parece tomar todo cuidado para que sua imagem seja… perfeita. Um dos títulos que coleciona é o de homem mais bem vestido de 2002, na Suécia, país onde nasceu. Ljungberg também circula no mundo da moda e já foi deliciosamente fotografado para a linha underwear da Calvin Klein. Namorada? Sobre isso, não abre o jogo. Ele já namorou a modelo inglesa Anara Atanes e há boatos de que teria tido um romance com a atriz Elissa Sursara. Após nove anos jogando no Arsenal, da Inglaterra, Ljungberg vive nos Estados Unidos, onde defende o Seattle Sounders. A má notícia é que infelizmente a Suécia ficou fora da Copa.

CALENDÁRIO COPA - FEVEREIRO




Michael Ballack

Os quase 1,90 m de altura, cabelos pretos, olhos claros, além do rosto forte, fizeram dele um dos jogadores mais lindos da Copa 2006, junto com David Beckham e Cristiano Ronaldo. Hoje, aos 33 anos, é uma das estrelas de um dos times mais importantes do mundo, o Chelsea. Ballack é casado com Simone, com quem tem três filhos. A moça é queridinha da mídia alemã, que a considera a mais “misteriosa” das wags — sigla em inglês para “wives and girlfriends” (mulheres e namoradas) dos jogadores de
futebol.

CALENDÁRIO COPA - MARÇO




Carlo Cudicini

Ele não está entre os melhores goleiros do mundo, mas é, sem dúvida, um dos mais lindos. Depois de defender o time inglês Chelsea por 10 anos, o italiano Cudicini agora protege a rede do Tottenham Hotspur, outra equipe inglesa. Em novembro, ele deu um susto na torcida ao sofrer um acidente de moto quando ia para o treinamento do time. Cudicini namora a linda, loira, alta e magérrima Alessia Marcuzzi, apresentadora
do Big Brother na Itália.

CALENDÁRIO COPA - ABRIL




Fabio Cannavaro

A história dava um filme: de gandula da Copa de 1990 a capitão da seleção campeã da Copa de 2006. Foram, inclusive, as suas mãos que levantaram a taça de campeão do mundo quando a Itália levou o título. Hoje, depois de passar por times como Real Madrid e Internazionale, ele joga no Juventus, da Itália, e provavelmente será escalado para defender o time de seu país na África do Sul. Aos 36 anos, integra o time dos homens de família da nossa seleção: tem três filhos com Daniela, com quem está junto desde
1990.

CALENDÁRIO COPA - MAIO




Cristiano Ronaldo

Aos 24 anos, ele é um dos mais famosos jogadores do mundo. Mas o sucesso não tem a ver só com o fato de o português Cristiano Ronaldo ser um genuíno craque da bola — a ponto de ter sido considerado pela FIFA, em 2008, o melhor jogador do mundo. Seu nome também é assíduo nas páginas de fofocas por seus affairs com modelos-atrizes-apresentadoras, entre elas a patricinha Paris Hilton. Junto com Kaká, Cristiano é uma das estrelas do Real Madrid.

CALENDÁRIO COPA - JUNHO




Torsten Frings

Aos 33 anos, ele é considerado um dos melhores jogadores da Alemanha. Atualmente joga como meio-campo no Werder Bremen, time da cidade de Bremen, no nordeste do país. Frings defendeu a Alemanha na Copa de 2006 e provavelmente (torcida não falta!) estará na seleção alemã em 2010. Após 15 anos, ele anunciou que estava dando um tempo do casamento com Petra Frings, com quem tem duas filhas.

CALENDÁRIO COPA - JULHO




Kaká

Um dos mais queridos jogadores brasileiros começou na categoria fraldinha do São Paulo Futebol Clube, quando tinha apenas 8 anos. Aos 19, estreava no time profissional do clube e, desde então, a carreira de Kaká só ascendeu. Do time do Morumbi direto para a Europa, consagrou-se como um dos jogadores de maior importância no Milan, que pagou 8,5 milhões e meio de dólares por seu passe. Em 2007, o auge: Kaká foi eleito o melhor jogador do mundo pela FIFA. Dois anos depois, seu passe foi comprado pelo Real Madrid por 65 milhões de euros. Super bom moço, ele é casado há quatro anos com Caroline Célico. Ela tornou-se evangélica para ter
a mesma religião do marido.

CALENDÁRIO COPA - AGOSTO




Adrian Mutu

Ele nasceu na Romênia, em 1979. Já jogou no inglês Chelsea, mas a maior parte da sua carreira foi na Itália, onde já passou pelo Parma, Internazionale e, agora, Fiorentina. Infelizmente, sua seleção não se classificou para a Copa. Mutu não parece se preocupar com o papel de bom garoto. Já foi, por exemplo, pego no teste antidoping por cocaína, em 2004. Pelo deslize, ficou banido por sete meses. Naquele mesmo ano, foi para a cama com a atriz pornô Laura Andresan, que combinou com um jornal de filmar a cena. Hoje, ele está casado com a modelo dominicana Consuelo Matos
Gómez.

CALENDÁRIO COPA - SETEMBRO




Michael Owen

Ele começou no Liverpool, onde jogou de 1996 a 2004. Mas tudo realmente mudou depois do memorável gol que fez no jogo da Inglaterra contra a Argentina, durante a Copa de 1998, quando tinha apenas 19 anos. Em 2004, Owen foi transferido para o Real Madrid e hoje defende o Manchester United, para onde foi compensar a ausência de Cristiano Ronaldo (que agora joga no Real Madrid). Ele é mais um que integra o time dos bons-moços-pai-de-família. Owen é casado com Louise Davis Bonsall desde 2004. Na época, eles namoravam há apenas um ano
, mas se conheciam desde o tempo do colégio

CALENDÁRIO COPA - OUTUBRO




Thierry Henry

Ele esteve no time da seleção francesa que levou o título na Copa 98 e hoje joga pelo Barcelona. Mas grande parte da história de Thierry foi no Arsenal, onde jogou por oito anos e saiu como o maior artilheiro da história do time, tendo marcado mais de 200 gols. Em 2003 e 2004, ficou em segundo lugar no ranking dos melhores jogadores eleitos pela FIFA — na primeira vez perdeu o título para Zidane e na segunda, para Ronaldinho Gaúcho. Entre 2003 e 2008 o jogador esteve casado com a modelo inglesa Nicole Merry. Thierry ficou mais famoso após aparecer num comercial da Renault tentando traduzir o significado da expressão va-va-voom — o que queria dizer algo excitante, certeiro. O bordão ficou tão famoso que foi
parar até no Concise Oxford Dictionary.

CALENDÁRIO COPA - NOVEMBRO




David Beckham

Será que ainda é preciso apresentar David Beckham? Ele já passou por times como Real Madrid, Manchester United e Milan, e agora defende o Los Angeles Galaxy, motivo que o levou a morar nos Estados Unidos. Foi também o capitão da seleção inglesa na Copa de 2006. Provavelmente o jogador mais conhecido da atualidade, sua fama se deve, além das habilidades com a bola, aos dotes físicos, ao guarda-roupa impecável — o que fez dele uma espécie de ícone metrossexual — e ao casamento de 11 anos com a Posh Spice Victoria Beckham. Juntos já posaram para grifes como Armani, além de terem protagonizado a campanha de sua própria linha de perfumes. Em 2003, eles gravaram o The real Beckhams, documentário lançado na época em que viveram na Espanha.

CALENDÁRIO COPA - DEZEMBRO




Fernando Gago

Único argentino nessa distinta seleção, Gago começou no Boca Juniors, mas ainda pode ser considerado um estreante. Com apenas 23 anos, já joga no Real Madrid, embora ainda não tenha defendido sua seleção numa Copa, o que deve acontecer agora na África do Sul. Ele namora a atriz Micaela Vásquez, que ficou famosa na Argentina depois de participar da novela Chiquititas.

AS TORCEDORAS DA COPA


Toda boa copa tem as musas das torcidas, aquelas que vão acompanhar os jogos de perto e enfeitar a torcida, com suas boas qualidades ... rs.
Dá-lhe Argentina, uma provável adversária!
(reprodução/dica de
Jackie Faz Arte)

sexta-feira, 18 de junho de 2010

PITACOS DA COPA

Esses são do brother Marcelo Romano, que está na disputa do #BolãoDaCopa em que metade dos jornalistas especializados está envolvida! Vamos aos pitacos... 1- Hoje as zebras bateram recordes: Argélia e Sérvia fizeram todos estacionarem.O máximo feito por alguém foram 15 pontos. A diferença dos líderes Arthur e Denis para o 36˚, Vitor Martins ( em franca recuperação) continua em 60 pontos.
2- Marcelo MArcondes finalmente passou a dividir a lanterna com outras pessoas. Ele não se entusiasmou com a possibilidade de ganhar um CD com o VT de Eslovênia x Argélia.
3- Quero sugerir que o penúltimo ganhe um CD com os melhores momentos da Copa comentados por Edmundo e Neto. Nos extras, pronúncias dos nomes dos jogadores com Luciano O que estou fazendo aqui do Valle.
4- Para o palpite melhor time da primeira fase só sobraram 3 favoritos: Brasil, Argentina e Holanda.
5- Quem nos deixou com mais raiva nesta sexta: Podolski errando todas os chutes que deu a gol, o juiz de Mali ou Lampard e Gerrard andando em campo?

VOLTO JÁ



Parada para descanso...volto na semana com novidades.

Abraços,
Dani
http://vivendoja.blogspot.com

terça-feira, 15 de junho de 2010

domingo, 13 de junho de 2010

LAYOUTZINHO BÁSICO PRA MUDAR...

...para a nova fase com a chegada das lindinhas de plantão. Tati , Dani , Dri e Nani que se juntam a Andréa, Jackye, Natacha & cia. Valeu meninas :-)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

PURA EMOÇÃO

Amor, amizade, alegrias, tristezas, descobertas, encontros e desencontros...uma linda homenagem ao cinema...

Essa cena do filme Cinema Paradiso, além de na minha opinião, ser uma das mais belas do filme, é uma ótima homenagem ao Dia dos Namorados.



Por Nani Dantas via Facebook

terça-feira, 8 de junho de 2010

O ÚNICO DE CALÇA


Kaká nao pode posar só de cueca para a Vanity Fair porque a mulher, Caroline Celico, nao permitiu, diz nota na coluna Gente Boa hoje no Globo. O brasileiro aparece na revista ao lado de outros jogadores de futebol, como Drogba e Cristiano Ronaldo - eles de cueca e Kaká sem camisa e de calça com cintura baixa. Caroline explicou o motivo da proibiçao para a revista 'Joyce Pascowitch' - "Tem que ter alguma coisa que seja exclusiva da esposa, né?".
Blue Bus

sexta-feira, 4 de junho de 2010

OS SETE MOTIVOS PARA ASSISTIR A COPA...

...Rodeado de Mulheres

O estereótipo é sempre o mesmo: futebol é coisa de macho. Mulher tem de ficar no canto discutindo a novela das nove ou, se for mais descolada, algum episódio de Sex & the City. Na melhor das hipóteses, a patroa serve para buscar cerveja ou nunca deixar acabar a porção de tremoço com salsicha em conserva. Caramba, homem, deixe de ser preconceituoso agora mesmo. Os tempos são outros, as meninas deixaram de ser ignorantes na matéria e, acredite, é muito mais divertido assistir com elas do que com aquela sua turma de cueca. Quer apostar? Então veja nossa seleção de sete razões para você encher a sala de gatas e curtir até jogos como Coréia do Sul versus Grécia.

1) Elas curtem Copa do mundo
Por mais que a maioria das garotas possa odiar futebol, tudo muda de quatro em quatro anos, quando a seleção brasileira entra em campo. Pergunte para as meninas se elas torcem para algum time. Muitas dirão, nenhum em especial, só o Brasil. E veja quantas estão colecionando o famoso álbum de figurinhas oficial por aqui.

2) Elas entram no clima de torcer
Não basta sentar no sofá e ligar no Galvão Bueno. Elas querem bandeirinhas, camisas oficiais, faixas, bonés, pintura de rosto e tudo mais que mostre que o que é bom mesmo é o verde e amarelo.

3) Namoradas querem você junto nessas horas
Na copa passada eu não consegui assistir o jogo inaugural com uma namorada e aguentei cara feia até as semifinais. O lance de gritar, comemorar, xingar o juiz, fazer macumba contra a outra seleção é algo que, para elas, faz parte da dinâmica do casal e porque não dizer, do romantismo. Vai perder essa chance?

4) Finalmente você vai poder discorrer sobre o que entende
Elas não estão interessadas na escalação do XV de Piracicaba contra o Bangu de um jogo decisivo de 1974. Isso serve só para aquele amigo seu que teima que o segundo bandeirinha chamava-se Berlarmino. Agora, você vai encantá-las por saber onde joga o Nwankwo Kanu, da Nigéria, em que time o Per Krøldrup, da Dinamarca, começou a carreira e quando conseguir convencê-las que Cristiano Ronaldo é mais que um rosto bonito.

5) Mulher faz preparativos
Esqueça o engradado de cerveja jogado na sala e o pacotinho de batata frita detonado em cima da mesa. Por mais que tenhamos feito piada com o tremoço, as moças vão querer preparar uma pequena festinha com sandubas, cerva, caipirinha de saquê (isso, sim, bebida exclusivamente feminina) e acepipes diversos em cumbuquinhas próprias. Para dois ou para 20. Não tem diferença.

6) Elas não bancam o torcedor-técnico
Não tem coisa mais chata que aquele cara que acha que sabe tudo de futebol e passa o jogo querendo mexer na escalação do time, no esquema tático e até na narração do jogo. Com meninas ao seu lado, isso não vai acontecer. Elas querem saber quando é que vai sair o gol para poderem gritar e te abraçar e só. Dane-se se o Pato, o Ganso e o Neymar ficaram de fora.

7) Você estará cercado de tudo o que gosta: mulher, cerveja e futebol
Ok, caí no estereótipo, mas pense bem, que macho de verdade vai desprezar esse trio? Sem contar que tem aquelas que vão lhe abraçar, beijar e até sentar no seu colo se o Brasil ganhar. Então, vai, seleção, vai! Tem mais em jogo que o hexacampeonato.

Claudio Pucci

quinta-feira, 3 de junho de 2010

QUANDO CHEGAM AS RESPOSTAS


Nunca se sabe quando o destino vai lhe pregar uma excelente coincidência, mas é provável que exerçamos o sexto sentido quando nos inclinamos para isso.
É mais cômodo crermos naquilo que está diante de nossos olhos e perto das mãos, paupável chego a dizer, mas o melhor de não termos noção do que está por vir é quando somos arrebatados pela surpresa da vida, ela está cheia de encantos mil.
E mesmo que muitas vezes as respostas nos escapam por entre os dedos, ainda sim vale a pena crer naquilo que muitas vezes não vemos ou apenas não sabemos por onde enxergar.

É fato que estamos vivendo uma era de incredulidades, distorção de valores e pressa diante do nada, mas espere um minuto: você sabe onde estão guardados os seus olhares, para onde ele está apontando, para qual direção você aponta?
As pessoas alteram suas rotinas, esquecem de olhar para trás e deixam as oportunidades sentadas em algum canto de suas escolhas.
Você pensou em alguém hoje?
Fez algo simples?


As respostas surgem quando menos as esperamos. E o acaso não é ótimo?
Deleite-se com alguns segundos de surpresas, gratas surpresas para quem sabe plantar uma humilde semente: virtude.
Você poderá colher não somente respostas altivas, mas uma infinidade de perguntas acertivas e que farão diferença.

Mas afinal, existem ou não boas coincidências?
Faça uma pequena pausa e visualize as situações a sua volta, elas estão contra ou a favor de seu curso natural? Algumas implicações nem sempre são sinal vermelho, basta racionalizar na hora em que precisar ser de fato você mesmo com outras pessoas.
O que fazemos aqui, certamente nos retorna com uma força maior.

Por isso, não contextualize suas ações, não profane palavras ao vento e muito menos deseje menos por ser demais, pois s
omente quando chegam as respostas é que nos damos conta de que saber investir nem sempre está aliado a ganhar ou perder, apenas uma simples doação de atenção basta para quem apenas procura por uma palavra de incentivo.

É isso que digo quando as pessoas me perguntam sobre respostas. Nunca dou mais que simples exemplos, pois hoje sou eu quem está aqui para relatar que boas coincidências acontecem para quem acredita e deposita um certo grau de credulidade.
Ação e reação não é somente uma equação de física, soma-se uma certa dose química e subtrai-se uma multiplicada e resultante questão de viver.

terça-feira, 1 de junho de 2010

SER ANORMAL

Eu sempre fui bem cagona. Montanha russa, piruetas, multidões, nunca foram meu forte. Eu preferia violão, cerveja, bons amigos, relações irritantemente cúmplices. Eu sempre precisei pisar em chão firme para achar que assim, eu estava segura na minha medíocre existência e podia, enfim, respirar sem medo de ser devorada pelos perigos.

Mas com as coisas da vida eu sempre me joguei, me atirei como um dardo em direção ao alvo. E voei leve feito o vento cada vez que tinha certeza que tinha entendido o manual da vida. E aí a vida reescrevia o tal do manual e eu me jogava de mais alto ainda. Voar leve sempre foi um sonho.

Eu me atrevia em paixões proibidas, eu amava quem eu não podia amar, quem não me amava e quem nunca nem ia saber quem eu era. Eu chorava litros e litros com dores de cotovelo que pareciam mortais, letais, definitivas como quase tudo na minha vida. Eu perdoava quem merecia ir pro inferno de queda livre e sem direito a um telefonema sequer. E eu também vivia histórias inacreditáveis porque eu sempre quis abraçar todas as possibilidades que a vida achou que tinha que me dar. Ou todos os castigos que, depois do meu julgamento, ela achou que eu tinha que levar. Eu me atropelei N vezes, eu me venci e fui vice na mesma disputa. Eu passei a vida lutando contra mim mesma. Era preciso ser normal, saber obedecer leis e entender as regras. Dizia e diz a sociedade, o mundo e os casamentos bem sucedidos.

Eu ri alto, eu dancei, eu passei de antipática. Eu cantei errado, tomei todas, pileques históricos, eu fiz xixi na Cidade Jardim em pé porque não dava para chegar em casa. Eu fingi sim, eu rezei ajoelhada quando não queria que o mundo risse dos meus medos idiotas, eu fui a outra. E fui feliz sendo a outra.

Eu quis tudo interminavelmente, eu me arrependi de ter essa mania de achar que só vale eternizando, eu fui várias vezes em terreiros para ver se algum Santo aliviava aquela porra toda que era sofrer até terminar raquítica. Várias vezes eu entrei em hospitais, com medo de estar enfartando de verdade, na prática. E os médicos davam o diagnóstico: crise de ansiedade. Das fortes. Enfartar de tanto viver, do coração explodir de amor, de paixão, de sangue quente na veia, de tesão numa alma tarada e sem vergonha alguma.

Eu nunca achei que eu tinha a vida inteira pela frente. Então fui engolindo com farofa e engasgando, até que aprendi a cuspir. Cada encontro chato, cada segundo desperdiçado, cada trecho de música, cada merda que meu cérebro inventava para a vida ficar mais florida. Eu engoli para fingir com mais convicção que eu era uma menina normal. Que tinha os mesmo sonhos e vontades das meninas normais.
Mas na verdade tudo que eu queria era poder ser anormal, desejar voar leve e viver torto.
Viver torto até o dia de morrer reta.

http://www.taticavalcanti.com.br/